sábado, 2 de abril de 2016

RESPOSTA À MATÉRIA TENDENCIOSA SOBRE A FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA.
Comentado: Bom, para esclarecer ao público leitor desta matéria, começo pelo título do texto: "Cadê os mortos da fosfoetanolamina?" - também estou à procura. Administro um grupo com quase 14.000 pacientes oncológicos, a maioria em estado terminal ou paliativo e, nesses quase oito meses de trabalho voluntário, ainda não vi nenhum óbito por fosfoetanolamina. Vi sim, por câncer, por quimioterapias e pelo efeito rebote causado pela suspensão do uso da fosfoetanolamina pela cassação das liminares de quem já havia tomado as cápsulas da primeira remessa e, depois, tiveram seu DIREITO DE ESCOLHA tolhido. Passo a falar agora das "evidências em contrário" e, clicando no caminho indicado por vocês, abri o texto em que o Ministro Celso Pansera diz "Temos CERTEZA que a substância NÃO FAZ MAL PARA O CORPO HUMANO. Isso foi determinante para seguirmos para as próximas etapas. Como ela age dentro do corpo humano? Disso não temos prova científica." É cansativo explicar a mesma coisa para quem tem medo de enxergar o óbvio, mas vamos lá: o que diz o relatório? 1. Que a fosfoetanolamina sintética não é tóxica; 2. Que para determinar a eficácia é preciso seguir com os testes "in vivo". Explico: a substância precisa ser metabolizada com dois ácidos graxos presentes no fígado para que, metabolizada, sinalize as células cancerígenas para que o SISTEMA INUNOLÓGICO as destruam. Até onde eu sei, tubo de ensaio não tem fígado, muito menos, sistema imunológico, logo, impossível determinar sua eficácia em estudos feitos "in vitro", ainda mais nas quantidades em que foram utilizadas, cem vezes menor do que as já testadas e publicadas em diversos estudos científicos publicados, principalmente, nos Estados Unidos e Europa. Quem não tiver preguiça, favor dar uma olhada, para começar, nos artigos do Pubmed. Quanto ao Dr. Pírula e sua seita, prefiro não tecer comentários porque duvido que qualquer um deles tenha ao seu lado um paciente terminal que não possa mais contar com nenhuma alternativa oferecida pela medicina tradicional esperando a morte e à base de morfina. Não discuto artigos ou vídeos de quem não tem conhecimento de causa e insiste em "querer discutir a vida e a dor alheia" com o intuito de que deixem a esperança que existe, tendo em vista que tudo já foi tentado e escolham, deixe-me ver as opções... ah! a MORTE!!! Realmente, não há o que discutir. Vejamos, o que mais diz esse texto que mereça algum comentário? Sim, a matéria de Maurício Tuffani em seu blog na Folha. Li. É um texto político e trata de vaidades. Em nenhum momento o texto fez referência aos pacientes, DE NOVO, em estado terminal que não podem mais contar com a ajuda da medicina tradicional. Se não fala da dor dos pacientes e seus familiares, não merece comentários, afinal, essa é a prioridade e não a afronta à vaidade desse ou daquele órgão em detrimento de vidas que estão se perdendo. O que mais temos? Vejamos: Ah! As dezoito perguntas claras sem resposta até agora... sem resposta? Se quem escreveu a matéria pesquisasse mais um pouco, o que sei que é difícil, mais fácil é escrever um texto qualquer para aparecer e "surfar na onda" da dor alheia, teria as dezoito respostas documentadas, fotografadas e melhor... com exames... sabem porque o Congresso aprovou a lei? Porque eles têm essas respostas, com contrato assinado, resultados de exames antigos, encaminhamentos de um hospital bem conhecido, o SÍRIO LIBANÊS, agradecendo a costumeira gentileza do Professor Gilberto Chierice por, digamos, atender as solicitações feitas por médicos daquele hospital de FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA. Ah! Vocês não viram? Creio que todo mundo que escreve esses textos parciais também não. Aliás, tem muitas coisas que vocês não sabem e, por isso, claro, só podem dizer o que "acham". Nós, defensores dos pacientes oncológicos e SEU DIREITO DE ESCOLHA, escrevemos o que SABEMOS, sabem por quê? Porque para nós, a VIDA está em primeiro lugar. Acreditamos que a ciência, brilhantemente feita por todos os pesquisadores do mundo, inclusive, os pesquisadores da fosfoetanolamina sintética, É MUITO IMPORTANTE, entretanto, pacientes terminais não têm tempo para esperar essa evidência científica e, se já foi demonstrado pelo MCTI que mal não faz, SERÃO VOCÊS a negar a última esperança a quem não tem mais nenhuma??? Acho que não. O Congresso nada mais fez do que RESPEITAR A VONTADE DO PACIENTE, o que não é mais do que sua OBRIGAÇÃO. Vejamos, sera que vale a pena comentar mais alguma coisa? Ah! sim... a matéria "Justiça para Mario Rodriguez. Comecei a ler e parei porque já vi que, ao mencionarem o Dr. Dennis Cincinatus e seu caso particular como sendo o momento desencadeador da divulgação da fosfoetanolamina na mídia, pude perceber o nível de desinformação dos Senhores. Paro por aqui porque estou limitada por caracteres. A VIDA é limitada por isso e muito mais. RESPEITEM O DIREITO DE ESCOLHA DOS PACIENTES, A VIDA É DELES!!!